Pintura: Normas Gerais De Execução 3

by Redação Reforma Fácil | 1 de junho de 2008 21:08

Tinta à base de cimento

A pintura nas superfícies de concreto, tijolos, cimento-amianto e revestimento de argamassa, com tinta à base de cimento branco, que apresentam propriedades hidrófugas, obedecerá às instruções do respectivo fabricante e mais as seguintes:

As  superfícies depois de convenientemente limpas, serão molhadas a  fim de evitar-se excesso ou desigualdade de  absorção, devendo-se esperar que fiquem apenas úmidas, no momento da aplicação da pintura.
As superfícies de absorção normal e  uniforme serão, sem qualquer demão previa de aparelho, pintadas dom  2 demãos de tinta, no mínimo, aplicadas a brocha.
Quando as superfícies apresentarem porosidade excessiva, receberão uma demão de aparelho de tinta diluída (água e tinta na proporção de 1:1,5).

Esmalte Sintético

Tinta de acabamento para estruturas metálicas e de  madeira. Quando usada em superfícies metálicas, é aplicada sobre a base de primer; quando sobre madeira, deve ser feita correção das irregularidades com massa.

Pode ser aplicada com pincel, trincha ou revólver.  De acordo com o sistema de  aplicação a ser usado, adiciona-se solvente apropriado até atingir a viscosidade desejada para boa cobertura, desde que não prejudique sua resistência.

O esmalte deve ser de boa qualidade, para secagem e de cor firme, não se alterando entre demãos.

Seu acabamento pode ser fosco ou brilhante.

Aplicação

As tintas serão entregues na obra em sua embalagem original de fábrica e  intacta; as tonalidades, poderão ser preparadas ou não na obra.

Deve ser evitada a sedimentação dos pigmentos e componentes mais densos das tintas em latas, recomendando-se  agitá-las vigorosa e periodicamente com espátula limpa.

As tintas só poderão ser afinadas ou diluídas com solventes apropriados e de acordo com  as instruções do respectivo fabricante.

Cada demão de tinta será lixada e espanada  antes da aplicação de nova demão.

Não será  aplicada a pintura a óleo em superfície recém previstas que ainda apresentem  umidade.

Tinta A Óleo

Tinta de acabamento, aplicável sobre superfícies metálicas, madeira, rebocos, etc.

Pode ser aplicada com pincel, trincha ou rolo, convenientemente diluída de acordo com o tipo de aplicação, sem prejudicar suas características de resistência, a qual originalmente já é precária (após endurecida solta-se ao ser raspada  com a unha) .

Antecede esta pintura, uma demão de primer, apropriado para cada caso.

Face à sua baixa resistência e aderência,  recomenda-se a sua aplicação sobre as superfícies porosas, tais como madeiras e rebocos. Sua pigmentação altera-se quando em contato  direto com os raios solares, motivo pelo qual não pode haver retoques.

Aplicação

A pintura de  superfícies com tinta à base de óleo obedecerá às instruções do respectivo fabricante e mais as seguintes:

As tintas serão entregues na obra em sua  embalagem original de fabrica e intacta; as tonalidades poderão ser preparadas ou não na obra.

deve ser evitada a sedimentação dos pigmentos e  componentes mais densos das pinturas em latas, recomendando-se agita-las rigorosa e periodicamente com espátula limpa.

As tintas só poderão ser afinadas ou diluídas com solventes apropriados e de acordo com as instruções do respectivo fabricante.

Cada demão de tinta será lixada e empanada  antes da aplicação de nova demão.

Não será aplicada a pintura a  óleo em superfícies recém revestidas que ainda apresentem umidade.

Vernizes

Material de acabamento , transparente , não podendo ser aplicado sobre primer. Usado na sua viscosidade original.

Pode ser  transparente e incolor, dá realce às características naturais do material  pintado. Como conseqüências, os materiais a serem envernizados devem sofrer melhor seleção e receber acabamento mais esmerado.

Pode ser aplicado com trincha, pincel ou pistola.

Os  orifícios provenientes da aplicação de pregos, [parafusos, etc., deverão ser obturados antes do envernizamento com massa  preparada (verniz, gesso, um pouco de óleo de linhaça e corante para alcançar  a cor natural da madeira).

Esquadrias externas de madeira, bem como peças de madeira exposta ao tempo aplicadas em composições de fachadas (testeiras, face inferior de beirais, pergulados, painéis, etc.) poderão, quando determinado pelo projeto, ser envernizadas desde que se aplique verniz  plástico a base de poliuretano, comumente chamado de verniz de barco.

Tinta a base de Látex ( PVA )

Trata-se, de tinta pronta para uso,  fabricada à base de acetato de ponivinila (PVA), solúvel em água.

É  aplicável sobre rebocos, madeiras, concreto, tijolos ou blocos à vista e cimento amianto. Outras superfícies, tais como cerâmica, pastilhas, litocerâmica etc., aceitam pintura látex, entretanto a  aderência se  dará  por tempo limitado. (aproximadamente 12 meses).

O tempo de secagem para  este tipo  de tinta é relativamente curto  mais ou  menos duas  horas – podendo ocorrer aceleração ou  retardamento, conforme as condições de ventilação do ambiente.

Aceita retoques com grande facilidade, sem  deixar defeitos, mesmo  depois de  algumas  semanas da sua aplicação, desde que se use a  tinta produzida na mesma época.

Podem ser  usadas  bisnagas  de corantes para se obter  a  cor  ou tonalidade desejadas.

Aplicação

As tintas a  base de látex são aplicadas em 2 demãos de acabamento, no  mínimo. Em caso  de limpeza,  recomenda-se  o uso de pano úmido e sabão neutro, sendo vedado  o emprego de qualquer tipo de detergente ou abrasivo. Deve-se,  ainda,  observar o seguinte:

As trintas vem prontas para o  uso, bastando agitá-las antes das aplicação.
As paredes novas  em  geral não  exigem qualquer preparação prévia, sendo a  aplicação direta; entretanto, poderá ser aplicado, previamente, líquido impermeabilizantes ou selador, caso as características de reboco assim o, exigirem (reboco áspero e poroso).

Veja continuação no próximo post

Source URL: http://reformafacil.com.br/produtos/especificacoes_tecnicas/pintura-normas-gerais-de-execucao-3/